Alziro Barbosa

Direção de Fotografia

Conteúdo principal

JK – Bela Noite Para Voar


frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa
frame de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa

Sinopse: Ao longo de um dia, o presidente do Brasil Juscelino Kubitscheck deverá visitar diversas cidades, negociar com políticos e, à noite, encontrar-se com sua amante. Uma tentativa de golpe da Aeronáutica pode derrubá-lo do poder.






Ficha técnica

Direção: Zelito Vianna

Elenco principal: José de Abreu, Mariana Ximenes, Marcos Palmeira, Julia Lemmertz

Roteiro: Zelito Vianna, baseado em livro de Pedro Rogério Moreira

Produção: Cláudia Furiati e Daniel Sroulevich

Produtor associado: Vera de Paula

Co-produção: Caribe Produções Ltda. e Focus Films

Música: Sílvio Barbato

Fotografia: Alziro Barbosa

Direção de arte: Alexandre Meyer

Figurino: Kika Lopes

Edição: Diana Vasconcellos

Efeitos especiais: Teleimage

Gênero: Drama

Formato: 35mm

Ano: 2008

Teaser

Teaser de JK: Bela Noite Para Voar - longa metragem - Alziro Barbosa

Making of

Artigo para a revista Luz e Cena

Por Alziro Barbosa

A imagem cinematográfica é luz, cor e suas tonalidades. Uma das partes mais sedutoras da direção de fotografia é criar para o espectador um tempo passado com um olhar atual. O simples é o mais difícil e o mais comunicativo e foi com esse olhar que construí a fotografia de Bela noite para voar.

O final dos anos 50 era um período de fortes transformações técnicas e estéticas, assim como hoje. O tradicional cinema em preto e branco se transformava em colorido. Agora, passamos por outra forte mudança, a manipulação digital na imagem. A fotografia cinematográfica atual tem como característica essa manipulação, porém, só o recurso digital não criava a ligação autoral que eu buscava para a fotografia do filme.

Usei as tecnologias atuais e os recursos clássicos do cinema tradicional. A imagem ganhou modernidade e ao mesmo tempo o orgânico da fotografia clássica.

Em primeiro lugar, optei pelo uso de negativo 35mm, boas lentes e uma câmera estável para garantir qualidade técnica e textura clássica. Juntamente com a direção de arte, do figurino, da maquiagem e da produção, construímos os universos cromáticos nas diferentes sequências do filme.

Para o presidente, luzes mais duras, tons mais quentes - quase monocromático -, e contraste. Na poética da personagem feminina, usei luzes mais suaves, cores pastéis e pouco contraste. Na memória do presidente, um pouco mais de cor e a luz é mais envolvente. Na conspiração, mais contraste, tons frios, luz marcada e sombras definidas. Através da luz, das cores, das texturas, do movimento e da composição tentei transformar em imagens a proposta narrativa do diretor.

Na finalização, a manipulação das cores foi feita através de recursos digitais e parte da cor subtraída com retenção de prata na cópia do filme, dando assim cor em cima da base de prata da cópia. O resultado é uma imagem moderna e ao mesmo tempo clássica, com cores suaves e com o contraste para transmitir a personalidade marcante de JK.

Rodapé